top of page
  • Ankit Kamdar

Conservação Florestal e Redução de Emissões: Projetos REDD e ARR

Updated: Jan 26



À medida que a preocupação com as mudanças climáticas aumenta, a busca por soluções que reduzam as emissões de gases de efeito estufa também se intensifica. Neste blog, vamos explorar duas tipologias importantes de projetos de carbono: Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação Florestal (REDD) e Aumento de Remoções de Reservas (ARR). Esses projetos desempenham um papel essencial na conservação florestal, na redução das emissões de gases de efeito estufa e no enfrentamento dos desafios das mudanças climáticas.

  • Projetos REDD

Conservação Florestal: Um projeto REDD tem como objetivo principal a conservação das florestas, buscando reduzir o desmatamento e a degradação florestal. Isso é alcançado por meio de práticas de manejo sustentável, proteção de áreas florestais ameaçadas e implementação de políticas de governança eficazes. A conservação florestal é vital para preservar a biodiversidade, manter os serviços ecossistêmicos e promover a resiliência dos ecossistemas frente às mudanças climáticas. Ao proteger as florestas, evitamos a perda de habitats e ajudamos a preservar espécies vegetais e animais importantes, incluindo aquelas ameaçadas de extinção.


Redução de Emissões de Gases de Efeito Estufa: Os projetos REDD também têm como objetivo reduzir as emissões de gases de efeito estufa provenientes do desmatamento e da degradação florestal. As florestas desempenham um papel fundamental na captura e armazenamento de carbono, e sua destruição contribui significativamente para as mudanças climáticas. Ao evitar a perda de cobertura florestal, esses projetos contribuem para mitigar as mudanças climáticas e seus impactos negativos. Cada hectare de floresta preservada ou restaurada representa uma redução nas emissões de carbono, ajudando a limitar o aumento da temperatura global.


Participação das Comunidades Locais: Os projetos REDD valorizam a participação ativa das comunidades locais e povos indígenas que vivem nas áreas florestais. Essa participação é fundamental para garantir a sustentabilidade do projeto, promover o desenvolvimento socioeconômico das comunidades e proteger seus direitos e conhecimentos tradicionais. A inclusão das comunidades locais fortalece a gestão e conservação das florestas, levando em consideração as perspectivas culturais, sociais e econômicas das pessoas que dependem desses recursos. Além disso, envolver as comunidades locais na tomada de decisões e na implementação dos projetos aumenta o comprometimento e a efetividade das ações de conservação.


Monitoramento e Fiscalização: Um projeto REDD envolve a implementação de sistemas de monitoramento e fiscalização para garantir a efetividade das medidas de conservação. Utilizando tecnologias como sensoriamento remoto e imagens de satélite, é possível acompanhar a extensão e o impacto do desmatamento, identificar áreas críticas e orientar ações de conservação. Além disso, a participação ativa da sociedade civil na vigilância das áreas florestais é essencial para denunciar atividades ilegais, pressionar por políticas ambientais mais robustas e promover a transparência e prestação de contas dos projetos.

Exemplos de Projetos REDD: A Reflora Initiative, por exemplo, desenvolve diversos projetos REDD em diferentes regiões do mundo. Um exemplo é o Projeto Fortalexa Ituxi, na Amazônia brasileira, que visa proteger áreas ameaçadas pelo desmatamento ilegal. Através de parcerias com comunidades locais, povos indígenas e órgãos governamentais.

  • Projetos ARR

As características de um projeto ARR (Redução Adicional, Reversível e Verificável, na sigla em inglês) são as seguintes:


Redução Adicional: Um projeto ARR é projetado para ir além do que já está sendo feito para reduzir as emissões de gases de efeito estufa. Isso significa que ele busca alcançar uma redução adicional que não aconteceria sem sua implementação. É como se fosse um esforço extra para combater as mudanças climáticas.


Reversibilidade: Um projeto ARR deve levar em consideração a possibilidade de reversão das ações e resultados alcançados. Isso implica em implementar medidas para garantir que as reduções de emissões sejam duradouras e não sejam revertidas após a conclusão do projeto. Essa característica é fundamental para a integridade dos créditos de carbono gerados pelo projeto.


Verificabilidade: A verificabilidade é a capacidade de comprovar de forma confiável e transparente que as reduções de emissões geradas pelo projeto realmente aconteceram. Isso envolve o uso de métodos de monitoramento precisos e auditorias independentes para garantir que as reduções sejam mensuráveis, reportadas e verificadas corretamente. É como se tivéssemos uma forma de verificar se o projeto está cumprindo o que promete.



Além dessas características, é importante mencionar que os projetos ARR também devem levar em consideração os impactos socioambientais. Isso significa que devem ser adotadas medidas para minimizar os impactos negativos nas comunidades locais e no meio ambiente, e também promover benefícios adicionais para essas comunidades. Dessa forma, os projetos não apenas ajudam a reduzir as emissões, mas também contribuem para o desenvolvimento sustentável e o bem-estar das pessoas.


Os projetos de carbono, como REDD e ARR, desempenham um papel fundamental na redução das emissões de gases de efeito estufa e na conservação das florestas. Através do engajamento comunitário, do desenvolvimento sustentável e da colaboração entre diferentes setores, esses projetos contribuem para enfrentar os desafios das mudanças climáticas. A Reflora Initiative, por meio de exemplos concretos de projetos, mostra o compromisso em promover a sustentabilidade e criar um futuro mais resiliente para o nosso planeta.


Comentarios


bottom of page