Back to Articles

Por que o plástico deve ser proibido?

Entenda os principais problemas que o plástico causa em nossas vidas e em nosso planeta.

Flavia Garcia

Reflora Initiative

Published: abril 20, 2022


Este “novo” material que usamos diariamente, está causando um impacto desastroso em nosso amado planeta azul.

A humanidade deve ter maior consciência ambiental, uma vez que o meio ambiente pode entrar em colapso devido à quantidade excessiva de resíduos e, principalmente, do plástico.

8,3 bilhões de toneladas de plástico foram produzidas no mundo desde sua criação, e 5 bilhões dessas toneladas já são resíduos e contaminam o ecossistema”. – Leo Praesen – Revista científica Plos One divulgou o estudo Plos One.

De acordo com as Nações Unidas, o mundo descarta cerca de 300 milhões de toneladas de plástico por ano. Se nenhuma ação for tomada, até 2050 teremos mais plástico do que peixe no oceano. Além disso, hoje já temos mais partículas de plástico no oceano do que estrelas no céu. Estes fatos parecem suficientes para demonstrar por que consumir e descartar tanto plástico é um grande problema, você não acha?

Porém, há também outras questões: para produzir plástico é consumida muita energia e água, os gases são liberados na atmosfera, há extração de petróleo, os resíduos sólidos são extremamente difíceis de tratar… De qualquer forma, por que ainda usamos tanto plástico? A resposta curta é que eles estão em todos os lugares, e isso torna muito complicado se livrar do plástico.

 

O caminho do plástico

Foi em 1907 que o plástico que conhecemos hoje foi criado, um material à base de petróleo.  Também considerados materiais plásticos , por exemplo silicone, nailon, poliéster, teflon e tantos outros, que até esquecemos que eles pertencem a esse mesmo grupo.

Desde a criação do plástico, os resíduos desse material contaminam todos os lugares. E à medida que a população e o consumo por indivíduo cresce, o acúmulo deste lixo tem crescido cada vez mais rápido.

O plástico vem de um derivado do petróleo, a nafta, que requer vários processos para poder ser totalmente processado, permitindo que ele se torne algo de qualquer forma e cor. Como resultado, o problema começa antes de ser produzido, pois a extração do petróleo não é sustentável.

A matéria-prima que sai da refinaria para as fábricas que fazem objetos plásticos são pellets: polímeros na forma de pequenos grãos de plástico de cerca de 10 milímetros. Estes polímeros permitem à indústria moldar qualquer material, mas já causaram danos à natureza. Durante o transporte, os pellets são deixados para trás no caminho.

Estas micropartículas de plástico chegam a todos os lugares, inclusive à água, aos alimentos, ao solo, ao nosso próprio corpo e aos dos animais.

A embalagem plástica é apenas a ponta do iceberg, ou seja, o plástico que conseguimos ver.

O plástico também é usado na produção de roupas e calçados, pneus, peças industriais, equipamentos médicos, revestimento de eletrodomésticos, computadores, material escolar, móveis e na maioria dos recipientes que usamos.

O plástico se utiliza até mesmo na produção de cosméticos, na forma de parabenos, e até mesmo como conservante de alimentos, na forma de enlatados.

O Parlamento Europeu, num esforço para combater a poluição do plástico, aprovou oficialmente em maio de 2019 a proibição do consumo de uma gama de produtos plásticos nos países europeus, dando um grande exemplo para outras regiões do mundo.

Devemos repensar urgentemente nosso consumo de plásticos descartáveis.

Tendo tudo isso em mente, selecionamos 5 razões-chave para provar a você por que você precisa reduzir (de preferência eliminar) o uso de plásticos em seu dia a dia.

 

  1. Demora muito tempo para se decompor

Em média, o plástico leva 450 anos para se decompor.

Em média, o plástico leva 450 anos para se decompor, o que significa que nenhum plástico produzido na Terra ainda se decompôs, se levarmos em conta que ele só existe desde 1907, há apenas 114 anos.

A razão pela qual os plásticos não se decompõem rapidamente é que não existem microorganismos capazes de quebrar suas ligações químicas, Bactérias e fungos que decompõem os materiais não desenvolveram enzimas para degradar as substâncias contidas no plástico, diz a engenheira química Marilda Keico Taciro, do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), no Brasil. Cada uma das moléculas de um elemento plástico tem centenas de milhares de átomos, principalmente carbono e hidrogênio. Como as ligações entre os átomos são muito estáveis, os decompositores não podem quebrar o material em pedaços menores para destruí-lo.

Aterro sanitário: ou lixão, que é onde acaba a grande maioria do lixo doméstico. Neste local, ele torna o solo impermeável ( se transforma em um bloqueio) dificultando o contato dos materiais com a terra e seus microorganismos retardam a decomposição dos outros resíduos, como papel, roupas de algodão e restos de alimentos.

Infelizmente, o plástico descartado não permanece no lixão. A chuva e o vento carregam o plástico para todos os lados. Uma vez que estes chegam em águas correntes, eles têm um destino final diferente.

Oceano: 8 milhões de toneladas de plástico chegam aos oceanos anualmente porque o resíduo que não se decompõe e não recebe nenhum fim final (reciclagem, incineração ou reutilização) e, conseqüentemente, é conduzido pelas forças da natureza.

Incineração: esta é uma técnica aplicada em vários países que converte plástico em energia através da queima dele. Estima-se que apenas 12% de todo o plástico gerado é submetido à queima.

É um processo que necessita de cuidados específicos, pois gera gases muito tóxicos.

Reciclagem: Nem todas as indústrias são capazes de utilizar o material reciclado. Apenas 9% do plástico gerado no mundo inteiro é destinado à reciclagem.

Para que o plástico seja reciclado, é necessário que chegue aos coletores desses resíduos, que o levarão para a reciclagem.

 

  1. É pouco reciclado

Esta reciclagem não é simples: há vários tipos de plástico que, se misturados, geram um produto de baixa qualidade.

Há muito plástico sendo produzido, usado e descartado rapidamente, mas apenas uma pequena proporção é reciclada

A reciclagem do plástico consiste em passar o material através de um aglomerador, uma máquina que derreterá o plástico e o transformará em pó, que recebe água gelada. O processo gera grãos de plástico, que mais uma vez são aquecidos para se transformarem em lâminas e finalmente em pellets, a matéria-prima da indústria.

Esta reciclagem não é simples: há vários tipos de plástico que, se misturados, geram um produto de baixa qualidade. Portanto, as empresas de reciclagem precisam ser meticulosas na separação e até mesmo no descarte de itens recebidos sujos demais.

Quando reciclado, o plástico perde muitas de suas qualidades que a indústria aprecia: sua maleabilidade e a possibilidade de dar-lhe cores específicas. É exatamente por isso que este produto é usado principalmente para fazer sacos de lixo, baldes, recipientes de cloro, ou seja, o que é considerado pouco desejável e ninguém nos vê usando.

Outro fator que contribui para a baixa capacidade de reciclagem é que ainda costuma ser mais barato produzir um material plástico a partir do zero do que fazer algo a partir de plástico reciclado. Isto porque a reciclagem requer a coleta, a separação do plástico, sua sanitização e o próprio processo de reciclagem, o que aumenta o custo final.

Em conclusão, o baixo custo do material e a alta demanda permitem que esta indústria permaneça forte, sempre focada na entrega e pouco se preocupando com o destino final.

 

  1. Destrói o meio ambiente e a biodiversidade

A estimativa global da quantidade de plástico acumulada no fundo do oceano é assustadora: pelo menos 14 milhões de toneladas do material estão submersas nas águas profundas”. –  Agência científica australiana CSIRO’s Oceans and Atmosphere

Esse é o motivo pelo qual você definitivamente entenderá porque evitar o plástico é tão urgente. O que este desperdício tem causado é chocante!

O cenário ideal é a reciclagem, mas o cenário real é que o plástico vai para aterros sanitários e, na maioria das vezes, cai no oceano. Isto causa o seguinte e também problemas muito sérios:

O plástico é ingerido por aves, peixes, baleias, golfinhos e qualquer outro animal marinho. Ele impede que esses animais voem ou flutuem corretamente e também os mata por ingestão, pois seu estômago fica tão cheio de plástico que eles não podem mais comer comida de verdade.

São constantes as notícias sobre animais encontrados mortos com quantidades absurdas de plástico em seus estômagos, uma estimativa de 90% das aves marinhas ingeriram algum pedaço de plástico durante sua vida útil.

Como prova de que tudo isso é real, cito o caso da baleia que morreu na costa das Filipinas em 16 de março de 2019, devido ao choque gástrico causado pelo lixo que ingeriu, e outra baleia na costa da Indonésia em novembro de 2018, encontrada em um estado igualmente dramático: ingeriu mais de mil objetos e pedaços de plástico, quase 6 kg de resíduos: garrafas, chinelos, cordas, redes de pesca e 115 copos de plástico.

Danos físicos aos animais marinhos. Canudos podem acabar em narinas de tartarugas, peixes podem sufocar em sacos plásticos, focas e qualquer outro animal um pouco maior pode ser enforcado em redes de pesca descartadas no mar.

O pior é saber que sem este lixo que não nos interessa produzir, estes animais estariam bem, tendo uma vida plena. Em vez disso, eles têm uma vida de sofrimento físico.

 

  1. É prejudicial à saúde

Vários estudos demonstraram que a BPA pode se comportar como um hormônio sexual quando migrada para o alimento.

Nós também somos diretamente afetados pelo plástico que consumimos, a Organização Mundial da Saúde realizou uma análise dos riscos potenciais dos microplásticos que já estão em nossas águas. Não é novidade para ninguém que já estamos contaminados pelo plástico que foi transformado em micropartículas que são absorvidas pela água em garrafas PET, por exemplo. Um teste feito com 250 garrafas de 11 marcas líderes comprovou que 93% delas possuíam microplásticos.

Esse teste da State University of New York analisou garrafas de água de nove países diferentes, de todos os 5 continentes, e concluiu que o número médio de partículas plásticas por litro é de aproximadamente 10. E se pensarmos que 1 milhão de garrafas plásticas são consumidas por minuto no mundo e que 300 bilhões de litros de água engarrafada são produzidos a cada ano, é um grande problema!

Não obstante, é evidente que os perigos dos plásticos não envolvem apenas essas micropartículas, mas também outros tipos de armazenamento, tais como potes de alimentos e mamadeiras. Mas e daí? O que isso significa para nossa saúde? Os plásticos têm um produto químico chamado Bisfenol-A (BPA) que pode ser responsável por aumentar o risco de câncer. O BPA migra para nossa bebida ou alimento quando é exposto a mudanças de temperatura, especialmente ao calor. Na maioria dos países, as mamadeiras com BPA já foram proibidas, tanto de fabricação e importação, e, é claro, de comercialização, desde 2012.

Vários estudos demonstraram que a BPA pode se comportar como um hormônio sexual quando migrada para o alimento. Desta forma, ela pode influenciar a ação de algumas glândulas e alguns hormônios.

As conseqüências podem se refletir na baixa qualidade do esperma, endometriose, síndrome do ovário policístico, infertilidade, alteração dos hormônios da tireóide, incidência de câncer de próstata e de mama, entre outros.

 

Em conclusão, é extremamente triste ver todos os danos irreversíveis que já causamos ao nosso planeta. Estamos levando um estilo de vida moderno que está deixando o planeta mais doente e as pessoas mais enfermas. O uso do plástico necessita ser repensado por todos nós.

Este simples artigo nos deixou com uma certeza: tudo está interligado! Nosso consumismo, o plástico que contamina o solo, os alimentos e os animais, nossa qualidade de vida e a de todos os outros seres da Terra.

Reduzir o plástico não é conversa de ambientalista, é uma necessidade urgente!

Podemos não ser perfeitos, mas podemos fazer nosso melhor e reduzir muito a quantidade de plástico que geramos, aqui estão algumas dicas fáceis e valiosas:

  • Recusar os descartáveis
  • Nunca aceite canudinhos
  • Não use sacos plásticos ou outros tipos de embalagens plásticas
  • Coma de uma forma mais natural
  • Reduza seu consumo
  • Separe e lave seus resíduos plásticos
  • Incentive aqueles ao seu redor a fazer o mesmo!

 

Afinal, estamos convencidos de que o uso do plástico está se tornando insustentável devido aos efeitos nocivos que ele traz para o equilíbrio ambiental. Por esta razão, deixo-lhes com uma reflexão de Mahatma Gandhi: “Sejam a mudança que vocês querem ver no mundo”.

 

Por Flávia Garcia, Marketing e Mídia.

 

Bibliografia

https://www.daninoce.com.br/ideias/por-que-precisamos-reduzir-o-consumo-de-plastico-dicas-praticas-de-como-fazer/

https://www.meucopoeco.com.br/site/materia/5-motivos-para-nao-usar-copos-descartaveis

https://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0111913

https://drauziovarella.uol.com.br/checagens/recipientes-plasticos-oferecem-risco-a-saude-checagem/

https://www.planetasustentavel.org

https://www.washingtonpost.com/opinions/plastic-is-everywhere-we-can-no-longer-ignore-that/2019/07/06/7929f3dc-9142-11e9-b58a-a6a9afaa0e3e_story.html

https://www.unep.org/interactive/beat-plastic-pollution/

https://www.nationalgeographic.com/science/article/plastic-pollution-huge-problem-not-too-late-to-fix-it

https://www.greenpeace.org/international/act/lets-end-the-age-of-plastic/